welcome_mobile

Comunicação

Este espaço é reservado aos condôminos do Residencial Marbella, visando manter um canal de comunicação entre todos mais eficaz, direta e transparente.

Conteúdo

Aqui você encontra a história da Nossa Casa,  links úteis, prestação de contas, horários de ônibus, regimento interno, galeria de fotos, entre outras praticidades, tornando-se uma ferramenta útil a todos os condôminos.

Acesso Restrito

Todos tem acesso as informações gerais, ficando restrito apenas os assuntos de interesse dos condôminos. Aproveitem, esta é a nossa casa e o Residencial Marbella a nossa família.

NOSSA CASA

Prezados condôminos, a título de curiosidade apenas, contaremos um pouco da história da nossa casa, esta que fica em frente ao condomínio, construída em madeira e alvenaria e que hoje serve para comemorarmos e festejarmos, mas que outrora teve alma e acolheu seres humanos.
E quem melhor para contar a sua história do que a última moradora da casa? Com vocês, D. Celestina Carolina Kulik Baude, que nos delicia com a seguinte narrativa:

“…Dias depois que casei com meu marido, o finado Constante Baude, em 1956, nos mudamos para a casa e residimos no local até 1994. Eu sempre cuidei da lavora e da criação, vendia leite para os vizinhos e o excedente da lavoura era posto à venda na bodega, que era cuidada pelo marido. A casa servia, além da moradia, também de pequena bodega de secos e molhados que tinha de tudo, desde agulha para costura, até ferramentas para a roça e arreios de animais. Alguns produtos eram trocados com os colonos que vinham de longe, e o querosene era vendido pela bomba, no próprio barril.
A casa foi construída ainda no século 19, pois soube que em 1.929 passou por uma reforma bem grande, quando ainda era de propriedade de João Naldony. Pelas histórias que contam, a casa sempre foi do comércio, e que antes do Sr. Naldony, ao lado esquerdo da casa havia um puxado que formava um amplo salão. Era uma emenda da casa que foi demolido na reforma e que servia de salão de baile. O pessoal vinha de todo lugar e de cavalo onde eram amarrados do lado esquerdo (hoje rua Lauro Viacombe). Dizem que o velho Makiolka dançou muitos bailes aí na casa, pois ele era vizinho e morava na rua em frente da casa. Dizem também que ele tomava umas pingas e volta e meia acabava com o baile. O salão, diziam, que era muito bonito e tinha duas espadas em madeira em cima da entrada.
Assim que compramos a casa, o Constante fez algumas reformas para melhor atender nossos fregueses. Foi retirado o assoalho das partes internas da casa, na cozinha os tijolos do chão foram substituídos  por madeira, os lambrequins foram retirados da parte frontal da casa, pois vazia muita sombra e deixava a bodega muito escura, o pilar central da parte da frente também foi retirado para dar melhor acesso aos fregueses. Na época a casa não tinha banheiro, que foi construído depois junto da casa. O mictório era uma casinha que ficava nos fundos, no meio do pomar.
Em volta da varanda que beirava a casa, havia um pequeno muro muito baixo que servia de floreira. A casa era da cor bege e as portas e janelas de um verde escuro. No começo, na parte da frente da casa, tinha uma porta no meio de duas janelas, uma das janelas foi retirada e trocada por outra porta. No lado direito da casa, não foi mexido, menos a janela de cima, que hoje conta com uma divisão em dois vidros e antes era de quatro vidros. No lado esquerdo foi feito um alargamento de madeira que aproveitou a janela retira da parte frontal, e a janela mais alta do lado esquerdo era só de madeira. O interior também foi mudado a fim de atender a clientela e também para acomodar a familiada, que foi crescendo. Os quartos foram divididos e a cozinha também houve mudança. O fogão a lenha que era de tijolos foi mudado por um econômico e menor.  O forro da casa era de tábua bruta e o sótom era utilizado apenas como depósito da venda.
Dizem que a casa já foi freqüentada por gente importante. Um certo imperador esteve aqui na Santa Cândida e acabou almoçando na casa. Dizem que comeu broa de centeio com banha e sal. Depois sesteou um pouco com a mulher. Depois que descasaram se lavara e até a casinha dizem que usaram. Mais tarde vendemos a propriedade porque tava muito caro o IPTU.”

Então pessoal, não é fantástico o imperador ter almoçado na casa e depois ter tirado uma imperial sonequinha?

INFORMAÇÕES ÚTEIS

Links

Caixa Econômica Federal
A sua caixa aqui

 

Junta Comercial do Paraná
Acompanhe os processos via internet

 

Aeroporto Afonso Pena
Acompanhe seu vôo

 

Condições das Rodovias
Antes de viajar confira aqui as condições de estrada

 

Cinemas – Shows – Teatros
Aqui você escolhe o seu programa diário

Clima/Tempo
Condições climáticas do Paraná

 

Conheça Curitiba
Confira o quê Curitiba tem de melhor

 

INSS
Consultas

Receita Federal

Consultas – certidões

 

Prefeitura Municipal de Curitiba
Consultas e informações Municipais

Receita Estadual
ICMS

 

Detran
IPVA – Multas

 

Aeroporto Executivo
Linha de ônibus executivo para o aeroporto Afonso Pena

 

Cotação do Real
Nossa moeda pelo mundo

 

Coritiba Futebol Clube
Orgulho de ser brasileiro

Itinerário de ônibus
Os horários dos ônibus de Curitiba e Região Metropolitana

 

Clube Atlético Paranaense
Pelo amor à demogracia

 

Site de Busca – Google
Pesquisou, encontrou

 

Certidões 24 horas
Precisou certidões, clik aqui

 

Paraná Clube
Sempre há um….

Horário de Ônibus
Aliança

bus_alianca

Nossa Sra. de Nazaré

bus_nossa_sra_nazare

Sta. Felicidade / Sta. Cândida

bus_stafaeli_stacandi

São Benedito

bus_sao_benedito

Aeroporto

FALE COM O SINDICO

Os campos com (*) são de preenchimento obrigatório.